Universidade Monstros | Ou como a Pixar dá aula de criatividade

, , No Comments
Mestres na arte de contar histórias. Assim pode-se denominar a Pixar, estúdio de animação que revolucionou o cinema e continua em sua missão de sempre (ou, ao menos, na maioria das vezes) entregar filmes cheios de empatia e com uma paixão pela sétima arte como poucos têm.
Em Universidade Monstros (Monsters University, EUA, 2013), o estúdio prova mais uma vez que uma sequência (ou um prelúdio, como aqui) pode existir sem que haja mais do mesmo. Dirigido por Dan Scanlon, o filme conta como Mike Wasowski (Billy Crystal) conheceu James Sullivan (John Goodman). O primeiro é um nerd sonhador e esforçado que entra na universidade para se tornar um assustador profissional. Já Sullivan não passa do filho de um famoso assustador, com talento mas nenhum bom senso. A princípio, os dois não são os melhores amigos - tampouco são inimigos, como era de se esperar em contos de origem - mas vão construindo a amizade que conhecemos em Monstros S.A., que lançou os inesquecíveis personagens (aliás, que personagem da Pixar não é?).
Todo o processo de construção das personalidades dos protagonistas e coadjuvantes é impressionante. Aos poucos, o filme envolve o espectador em uma teia de empatia e emoção que faz com que o público se apegue aos seus novos (e antigos) amigos. A fraternidade de perdedores - os famosos "losers" da cultura americana - Oozma Kappa, à qual Mike e Sullivan se juntam para competir nos Jogos do Susto é adorável em todos os sentidos. Até Randy Boggs, o rival de Sully nos tempos de empresa, aparece em cena e mostra o motivo de tanta rivalidade.
Impressiona também a habilidade que os animadores tiveram para criar criaturas individualmente diferentes umas das outras: nenhum monstro de Monstrópolis é igual. Imagino a alegria que não foi para os artistas, terem que levar a imaginação a níveis absurdos de atividade! Afinal de contas, criar tantas figuras variadas e interessantes não é coisa que qualquer um possa fazer, pois estamos falando de Hollywood, o lugar onde mais se copia no mundo. Com Universidade Monstros, a Pixar continua fazendo o que faz de melhor: ser original, mesmo em uma sequência.