À Beira do Caminho | Lindo drama embalado pelas canções de Roberto Carlos

, , 1 comment
A julgar por sua cinematografia, Breno Silveira é um diretor especializado em fazer emergir os sentimentos mais profundos dos espectadores. De Dois Filhos de Francisco a Gonzaga - De Pai Pra Filho, todos os seus filmes contam histórias que apelam às emoções de quem os assiste, normalmente embaladas por canções populares. Não à toa, o cineasta vem colhendo sucessos consecutivos, sejam estes de crítica ou de público.
Este À Beira do Caminho (Brasil, 2012), lançado no mesmo ano da cinebiografia de Luiz Gonzaga, não fica para trás. Ao contar a história de um caminhoneiro que, ao dar carona a um menino que perdeu a mãe e está em busca do pai que o abandonou, é confrontado com seu próprio passado, Silveira cria um filme simples, sensível e muito emocionante. E conta com a poderosa ajuda das canções clássicas de Roberto Carlos, presentes no imaginário popular brasileiro há mais de 50 anos.
João (João Miguel) e Duda (Vinícius Nascimento) formam uma dupla com muitas semelhanças a um clássico do cinema nacional: Central do Brasil. Como no filme de Walter Salles, há uma criança à procura de seu pai; como em Central, há uma jornada rumo às entranhas do Brasil. Mas, diferente do filme indicado ao Oscar, À Beira do Caminho conta uma jornada no sentido reverso: do norte para o sul, e também a jornada de um pai ausente à procura de reencontrar seu passado e renovar sua esperança no futuro.
Os dois atores protagonistas mostram enorme talento, especialmente o menino Vinícius Nascimento, que mostra uma fragilidade e uma delicadeza muito semelhantes ao que também se via no outro Vinícius, aquele de Central do Brasil.
Um recurso narrativo digno de nota é o uso das famosas frases escritas nos para-choques dos caminhões para pontuar momentos importantes da história. A cada novo acontecimento, uma nova frase. O diretor presta, assim, uma homenagem não apenas ao cancioneiro popular, mas à sabedoria contida nestas frases: provérbios preciosos de quem vive à margem, à beira do caminho do mundo.