Cine Holliúdy - Uma avalanche de risadas por segundo, macho!

, , No Comments
Um fenômeno cinematográfico desses que marcam a história cultural de um estado (no caso, o Ceará), Cine Holliúdy (Brasil, 2012) é um exemplo de como é possível fazer cinema popular sem descuidar de um detalhezinho chamado "qualidade". O filme de Halder Gomes, cearense que já havia feito o filme americano Cadáveres 2 e a produção espírita As Mães de Chico Xavier, se lança em uma homenagem bem-humorada - hilária, na verdade - a um tempo em que as cidades do interior tinham salas de cinema disputadas, que exibiam a nata do cinema de artes marciais e todas as chanchadas estreladas pelos atores da Atlântida e por Mazzaropi. Só esse plot já tornaria o filme interessante, mas ainda tem mais: a produção é falada em "cearenses" e com legendas!
Mas eu disse, lá em cima, que Cine Holliúdy é um fenômeno, e não foi por menos: lançado sem muito alarde somente no Ceará, em 9 salas, o filme quebrou o recorde de bilheteria no estado, que pertencia ao também brasileiro Tropa de Elite 2, levando uma média de 2800 espectadores por sala, e chegando aos 100 mil espectadores em apenas duas semanas em cartaz. Com o circuito exibidor se estendendo a cada semana, em adição à propaganda boca a boca de quem vê (e passa mal de tanto rir) e quer ver de novo junto com outros amigos, a expectativa é alta para o resto do país. A estratégia de lançamento da Downtown Filmes mostrou-se acertada, ao colocar o trailer do filme antes de outro mega-sucesso nacional, a comédia Minha Mãe é Uma Peça; as pessoas perdiam o fôlego com a profusão de piadas da prévia, e eram quase obrigadas a voltar para a estreia da produção.
Aqui em Aracaju, onde assisti ao filme, um espectador ao lado de mim e de minha esposa quase morre, ficava tossindo e parando para respirar entre uma gargalhada e outra. O mesmo se deu comigo, que com meu hábito de rir alto acabava até abafando uma ou outra fala do filme, mas nada que não se resolvesse com as legendas!
Cine Holliúdy conta a história de Francisglêydisson, um cearense apaixonado por cinema, que chega a uma cidadezinha do interior com o sonho de abrir seu cinema, o "Cine Holliúdy" do título. A trama não tem grandes arroubos de roteiro nem nada disso, apenas desfila os personagens, moradores da cidade que interagem com o recém-chegado sonhador. Alguns deles são comediantes cearenses conhecidos nacionalmente, como o cantor Falcão, que faz o papel de um cego hilário. As piadas são desferidas como uma metralhadora verbal, sem dar tempo para que a gente se recupere direito, e isso só já vale o ingresso. Em suma, estou falando de um filme simplesmente IMPERDÍVEL e que merece todo o hype que vem recebendo. Vale mesmo a pena conhecer Francisglêydisson e sua família, seu sonho e seu cinema. Um filme "invocado", para usar um termo cearense.