Tecnologia de filmes de ficção científica: pode virar realidade?

, , No Comments

Skate flutuante? Campos de força? Invadir sonhos? Neuralizador?
Nesta PopLista aproveitamos um artigo do site TotalFilm.com para debater a possibilidade de alguns aparelhos e bugigangas dos filmes sci-fi se tornarem realidade. Será que algum dia poderemos comprar essas coisas nas Lojas Americanas mais próximas? Confira a lista e divirta-se:

Batmóvel (Batman Begins)
O carro já passou por várias alterações e encarnações, e como a tecnologia de estado-da-arte continua a avançar, o veículo teve que mudar para permanecer um passo à frente dos avanços da vida real. Em O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), o Batmóvel tornou-se um veículo-tanque blindado de controle de multidões, completo, com metralhadoras, um canhão, e correias de tanque no lugar de pneus. Segundo o próprio cara, a única coisa que pode penetrar sua blindagem "não é deste planeta".

QUAIS SÃO AS CHANCES?
Prof. Phil Blythe, diretor do Painel de Políticas de Transporte, do Instituto de Engenharia e Tecnologia: "A tecnologia vista no Batmóvel já existe, mas atualmente não há um grande mercado que permita uma produção em larga escala".


Mochila-foguete (007 Contra a Chantagem Atômica e outros)
Mochilas-foguete apareceram pela primeira vez na ficção científica na década de 1920 e tornaram-se populares nos anos 60, quando Sean Connery, no papel de James Bond, usou uma na sequência de abertura de 007 Contra a Chantagem Atômica (Thunderball).

QUAIS SÃO AS CHANCES?
David Evans, diretor do Painel da Inovação, do Instituto de Engenharia e Tecnologia: "Vai levar muito tempo antes de vermos uma mochila-foguete funcional e comercialmente disponível no mercado, talvez nunca vejamos. Há muitos problemas sérios sobre a fonte de energia para mantê-la no ar, e depois o controle da estabilidade em movimento, para não mencionar a segurança, o impacto ambiental e a aceitação do público na prática".


Carros que não precisam de motorista (O Vingador do Futuro)
Que tal apenas colocar os pés para cima e ler um bom livro enquanto viaja de um lugar a outro? Carros assim são figurinha fácil em filmes de ficção científica, como O Vingador do Futuro, e a oportunidade de escolher um na concessionária mais próxima está mais perto do que você pensa. O projeto Google Driverless Car envolve o desenvolvimento da tecnologia para carros livres de motorista, com mais de 300 mil milhas de direção já tendo sido alcançadas, livres de acidente. Três estados americanos já aprovaram leis permitindo tais carros.

QUAIS SÃO AS CHANCES?
David Evans, diretor do Painel da Inovação, do Instituto de Engenharia e Tecnologia: "Carros sem motorista já têm sido testados por fabricantes de automóveis em suas pistas de testes particulares - então, a questão é quanto tempo levará para que as tecnologias se tornem viáveis e de confiança pública. Meu palpite é que isso pode acontecer dentro dos próximos 10, ou 20 anos, uma vez que alguns carros já têm muitos componentes semelhantes, como, por exemplo, sistemas de navegação por satélite, controle de cruzeiro e estacionamento automático".

Skates flutuantes (De Volta para o Futuro Partes 2 e 3)
Eu quero um skate voador desde que era criança e vimos um em ação nos filmes de Robert Zemeckis, estrelados por Michal J. Fox, e parece que eu não sou o único. Várias companhias e indivíduos já desenvolveram tecnologias hovercraft (o nome original do gadget) tentando criar produtos semelhantes, mas ninguém conseguiu chegar perto da experiência dos filmes... ainda.

QUAIS SÃO AS CHANCES?
Prof. Phil Blythe, diretor do Painel de Políticas de Transporte, do Instituto de Engenharia e Tecnologia: "Esta tecnologia está a décadas de distância, talvez até mais de 20 anos, mas esperamos que desenvolvamos isso como um marco para chegarmos aos carros voadores".

Invasão de sonhos (A Origem)
No blockbuster vencedor do Oscar de 2010, Leonardo DiCaprio vive o papel de Dom Cobb, um ladrão que faz espionagem corporativa infiltrando-se no subconsciente de seus alvos. Não foi a primeira vez que a ficção científica tratou de remover ou implantar ideias ou memórias por meio de sonhos (veja O Vingador do Futuro, ou Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças), mas será que isso pode vir a acontecer na vida real?

QUAIS SÃO AS CHANCES?
Prof. Jan Schnupp, Departamento de Fisiologia, Anatomia e Genética, Universidade de Oxford, Inglaterra: "Toda atividade mental, incluindo os sonhos, é o produto da atividade de bilhões de neurônios em nossas cabeças. O principal obstáculo é como interceptar sinais o suficiente para conseguir uma imagem clara do que se passa em um sonho. Com a tecnologia atual, implantar microeletrodos no cérebro é a única maneira de ler essa atividade com detalhes o bastant - mas, possivelmente, seriam necessários milhares deles, o que significa abrir numerosos buracos em sua cabeça. As barreiras legais e éticas tornariam tal empreitada extremamente difícil. Atualmente, não há tecnologias menos invasivas no horizonte, então no futuro próximo seus sonhos estão a salvo de olhos curiosos".

Neuralizador (Homens de Preto)
O Neuralizador é meio que um aparelho-chave para os Homens de Preto. Do tamanho de um charuto, ele emite um flash brilhante que destrói as memórias de horas anteriores, ou dias, semanas, meses ou anos, dependendo das configurações escolhidas. O que poderia ser muito útil quando você acorda depois de uma tremenda bebedeira, só para descobrir que você insultou/pintou de spray/abusou de seu parceiro/pais/chefe.

QUAIS SÃO AS CHANCES?
Neil Levy, Diretor de Pesquisa do Centro Oxford para Neuroética, Universidade de Oxfor: "Até onde posso dizer, a tecnologia não é nem um pouco realista em relação ao futuro próximo. Não temos a tecnologia para alcançar memórias específicas sem devastar outras áreas do cérebro. Com certas drogas, contudo, como Propofol, já se pode apagar com eficiência muitas memórias recentes, então se os acontecimentos forem realmente recentes, esta forma de tratamento age de forma muito parecida com o Neuralizador de Homens de Preto".

Campos de força (Jogos Vorazes)
Campos de força são uma ocorrência bem comum na ficção científica, usados mais recentemente em Jogos Vorazes para evitar que os concorrentes escapassem dos jogos. O campo de força invisível dava a todos que o tocassem um choque elétrico e evitava que deixassem a arena.

QUAIS SÃO AS CHANCES?
Dra. Ruth Bamford no STFC (Space Plasmas Group): "Os experimentos e trabalhos teóricos parecem muito promissores para que esta tecnologia torne-se realidade. A ideia é lidar com missões espaciais onde a ameaça crítica de radiação existe. A NASA já afirmou que a radiação é o único impedimento técnico para missões tripuladas a Marte. Podemos gerar um campo magnético artificial e uma fonte de plasma - a questão é o que poderíamos colocar dentro de uma nave. No passado presumia-se que era necessário um ímã enorme na nave para ser eficiente, mas nosso trabalho tem mostrado que um escudo defletor de plasma controlado e manipulado, usando um campo magnético artificial funcionará. Assim, o campo magnético necessário é uma fração daquele considerado nos anos 1960 - estamos tentando determinar precisamente o tamanho. Dependendo do orçamento e da vontade de ir atrás disso, podemos ter a tecnologia de campos de força em um voo de demonstração em três ou cinco anos, e em uma nave tripulada em 10. Isso abrirá a possibilidade para que a humanidade explore o espaço".

Tradução: Filipe Malafaia